Ação Social para Igualdade das Diferenças (ASID) a Social Good Brasil

Tipologias e ecossistema de empresas sociais na Europa e ecosssitema de inovação da PUCPR
05.10.2020
Apresentação Locavorista e Processando os aprendizados da Jornada
26.10.2020

Alexandre Amorim inicia sua apresentação contando sobre a fundação da ASID, que teve inspiração em sua irmã – portadora de Síndrome de Down e autismo. Apresentou para a turma a reportagem que deu estímulo inicial ao projeto, se tratando de uma escola de educação especial que estava com dificuldades na administração. A partir disso, 3 graduandos em administração, em um trabalho da faculdade sobre o 3º setor, deram início ao projeto que tinha como objetivo ajudar na administração dessa escola especial em específico, para depois expandir seus campos de atuação. Largaram seus empregos e se dedicaram à essa causa por inteiro, primeiramente pedindo patrocínios às empresas, em seguida fazendo trabalhos paralelos para que então chegassem no modelo de negócio baseado em voluntariado corporativo. Em seguida, exibe outra reportagem que aborda a situação da escola especial 1 ano e meio depois do início dos trabalhos da ASID, em um cenário bem melhor. Alexandre ressalta que prêmios são muito importantes para a organização, por mostrarem a credibilidade da mesma. Também apresenta cases e projetos realizados pela ASID, como o Programa Empreenda, Seu Desejo é Nosso Sorriso, Ensina, As Diferenças que Ensinam e Constroem, Mentoria, Conectar para Incluir e Programa de Inclusão. Por fim, conclui sua apresentação com seus aprendizados durante seu trajeto na organização.

Ana Addobbati, representando a Social Good Brasil, conta aos estudantes sobre sua trajetória profissional e a busca por um propósito em sua vida. Além de Diretora-Executiva da SGB, também é fundadora da Woman Friendly, empresa amiga da mulher. Explica sobre a SGB, que tem como objetivo aliar a tecnologia a um propósito, ou seja, criar dados de impacto. Um dos projetos da organização é o Data for Good, que busca criar conexões
relevantes e automatizadas entre os participantes da comunidade para fortalecer o ecossistema de inovação social no Brasil. Apresenta a teoria de mudança baseada na desinformação da sociedade brasileira, violação de dados pessoais, deserto de dados, decisões grandes baseadas em achismos e incapacidade de resposta resiliente e ágil. A partir disso, as intervenções realizadas são a fluência em dados e produtos de dados para indivíduos e instituições. Também comenta à turma sobre Programa Cidadãos de Dados, que tem como objetivo desenvolver soluções em dados para empreendedores sociais. Por fim, convida os estudantes a participarem do Festival SGB, reinventado para ser 100% online neste ano, com o objetivo de atingir todos os estados do Brasil e alcançar diversos públicos.